quinta-feira, março 08, 2012

Clélia, a rainha do Carnaval

Na segunda-feira "gorda", Carnaval de 1929, Clélia Affonso empunhando o estandarte, aparece
entre os demais componentes do enredo apresentado pelo Rancho Caprichosos da Estopa.

Quem a vê, hoje, de avental branco, entregue aos seus afazeres no 19º Distrito de Puericultura, instalado na rua do Rezende, nem de longe supõe que ela já foi ‘rainha’. E três vezes: dos ‘caprichosos’, dos ranchos e do Carnaval. Mas, os velhos carnavalescos, aqueles que vêm dos ‘bons tempos’ de nossa famosa festa popular, quando os ranchos eram a grande atração do tríduo momesco, não esqueceram a Clélia Affonso.

Recordam-na garbosa, triunfal, empunhando o bonito estandarte de seu grêmio na renhida disputa da segunda-feira gorda, empolgando a massa humana que enchia a avenida Rio Branco e recebendo os mais frenéticos aplausos.

Isto aconteceu durante vários anos, quando o Caprichosos da Estopa, enfrentando o Ameno Resedá, o Recreio das Flores, o Flor do Abacate, o Miséria e Fome e mais alguns ranchos famosos, tinha-a como condutora de seu pavilhão. Depois, nas festas comemorativas das vitórias alcançadas, era ainda ela quem, no ‘tear’ (nome dado à sede da agremiação), fazia os discursos gratulatórios exaltando tais conquistas e saudando os representantes da imprensa ali presentes.

Possuía, assim, a par da elegância que exibia nos volteios coreográficos durante os desfiles, a ‘bossa’ oratória vibrante e entusiasta de grande efeito nas aludidas solenidades.

De pequenino é que se começa

Filha de um denodado carnavalesco, o Álvaro José Affonso, foi ele mesmo quem a levou para o Caprichosos da Estopa, rancho fundado pelos tecelões da Fábrica Corcovado. Garotinha, entre os seus oito ou nove anos, Clélia tomava parte nos cortejos alegóricos, figurando nos carros que integravam seus enredos. Jogando beijos para retribuir as palmas e os vivas que iam conquistando desde a saída, na rua Conde de Irajá, a menina, já pondo à prova sua fibra foliônica, chegava à avenida esperta, sem se deixar vencer pelo sono ou demonstrar cansaço.

Mocinha, tornando-se uma das mais ardorosas ‘caprichosas’, imbuída do espírito momístico que K. Tuca (apelido de seu pai) lhe impregnara, teve, então, a honrosa incumbência de ser a porta-estandarte do rancho. Conduzida por exímios mestres-salas, dentre os quais Theodoro e Bororó, exibia-se com grande maestria nas evoluções coreográficas ao ritmo das bonitas e pomposas marchas compostas por Pedro Paulo, Bomfiglio de Oliveira, Sebastião Cyrino e outros.

Bem merecia, portanto, a ‘realeza’ depois conquistada em sua agremiação, no conjunto dos ranchos existentes e no próprio Carnaval, onde começou a brilhar bem cedo, antes de atingir a primeira dezena de anos.

Clélia, ‘rainha’ de três tronos

Caricatura de Mendez,
Diário de Notícias/1931
Queridíssima no ‘tear’, foi sempre colaboradora incansável e denodada de seus vários triunfos nas competições que Vagalume, Meúdo, Picareta e A. Zul, cronistas carnavalescos do Jornal do Brasil, promoviam sob o patrocínio desse matutino. Os ‘caprichosos’ à vista disso e por indiscutível justiça, resolveram fazê-la sua ‘rainha’. O grêmio dos operários foliões de uma fábrica de tecidos, que buscaram na estopa resultante da fiação o título para seu rancho, demonstrava na concessão de tal honraria o quanto amavam sua garbosa porta-estandarte.

Mais tarde (1932-33) impondo-se à admiração das agremiações rivais, aquelas que o Caprichosos da Estopa tinha como adversárias temidas nos prélios momescos, também essas escolhiam Clélia Affonso para ‘rainha’ delas todas. Davam-lhe, desse modo, durante dois anos, uma terceira coroa. Antes (1928 e 1929), como atesta a bonita medalha de ouro que ela guarda como relíquia, juntamente com a faixa da ‘realeza’ dos ranchos, já havia sido eleita, por igual período, Rainha do Carnaval.

A menina que se iniciara nas lides foliônicas sentada em precários banquinhos de carros alegóricos ganhava, mocinha, como recompensa, três imponentes tronos.

A ‘rainha’ transfere-se para o ‘cassino’

As desavenças e cisões, ainda hoje costumeiras nos grêmios carnavalescos, fizeram certo dia, a ‘rainha’ abandonar o Caprichosos da Estopa. Lia-se, conseqüentemente, no Diário Carioca, em 1935: “... A embaixada do Benjamim, depois que a graciosa Clélia Affonso tomou conta da defesa do pavilhão do ‘cassino’, está enfezada...“. A já então famosa porta-estandarte ingressara no Lírio Clube, da rua São Clemente, ausentando-se do ‘tear’ que nessa época estava instalado na rua da Passagem. Perda por todos lamentada, principalmente pelo Covinha (Osvaldo Viana), mestre de canto e baluarte da sociedade que perdia tão valioso elemento.

Em seu novo rancho, requestada por todo o quadro social, envaidecendo o Ayres, presidente, por tão importante aquisição, apareceu no certame do Jornal do Brasil com a mesma ufania de antes. Trajava ricas fantasias feitas com idêntico luxo, iguais ou mais vistosas do que as trabalhadas por Natalina, Dolores e Dominguinhos ao tempo de sua permanência nas hostes dos ‘caprichosos’. E, ao ritmo de outras marchas, ainda bonitas e imponentes, tendo como autores Pedro Paulo, Bomfiglio, Cyrino, sempre procurados pelos ranchos, voltava a arrancar aplausos delirantes.

Uma ex-’rainha’ serve à puericultura

Hoje, sem ter conseguido invalidar o que dela disse o cronista K. Rapeta (Arlindo Cardoso) no já citado Diário Carioca, em 1932: “... Clélia Affonso tonteia todo mundo com a sua beleza e gentileza...”, a ex-’rainha’ ainda é entusiasta do Carnaval. Embora os ranchos estejam em inferioridade, sobrepujados pelo fausto das escolas de samba, vai vê-los em seu desfile tradicional. Dá-lhes o seu aplauso cheio de recordações gratas do tempo em que, sendo personagem de destaque dessas paradas músico-alegóricas, pisava com graciosidade o asfalto levada pela mão gentil de um mestre-sala cavalheiresco.

Cedinho, sem aquelas atribulações que, antes, a proximidade do Carnaval lhe trazia nos preparativos das fantasias, nos ensaios das marchas, marca agora o ponto em sua repartição, servindo à puericultura através de um de seus distritos. Ficou longe, mas nunca olvidado, o seu tempo de porta-estandarte quando galhardamente tinha como competidoras a Elisa, do Ameno Resedá, a Rosinha, do Lírio do Amor, e outras, todas sempre leais, amigas, buscando apenas a vitória carnavalesca. Tudo muito grato de recordar à presença de troféus (uma medalha, uma faixa, retratos) guardados carinhosamente.

(O Jornal, 17/02/63)
_____________________________________________________________________
Fonte: Figuras e Coisas do Carnaval Carioca / Jota Efegê: apresentação de Artur da Távola. —2. ed. — Rio de Janeiro: Funarte, 2007. 326p. :il.