sábado, março 10, 2012

No princípio era Adiléia Silva


Meninota, ainda na sua primeira dúzia de anos, já Adiléia Silva, que mais tarde sob o pseudônimo de Dolores Duran, se tornou compositora famosa, assim como uma das mais expressivas intérpretes de nossa música popular, conquistava seu primeiro triunfo.

Cantando Primavera, uma bonita valsa de autoria do maestro Afonso Henriques, autor da música da opereta-fantasia “O Príncipe do Limo Verde”, de Alda Pereira Pinto, a menina Adiléia, uma das principais figuras do Teatro Infantil da Associação Brasileira de Críticos Teatrais, empolgava o numeroso público presente ao espetáculo que esse brilhante conjunto mirim realizava na manhã (10 horas) de 15 de novembro de 1942 no Teatro Carlos Gomes.

Palmas calorosas e demoradas exigiram bis e a garota Adiléia, graciosa, no desembaraço que já prenunciava a sua futura glória, cantou duas vezes seguidas, com os espectadores acompanhando-a no coro:

Primavera gentil, / um sorriso que a vida nos dá / Flor mais linda e sutil, / neste mundo não há.”

Estrela do Teatro Infantil

Quando em 1941, Olavo de Barros criou na Rádio Tupi o Teatro do Guri para dar a um grupo de crianças a oportunidade de interpretar poesias, monólogos e pequenas peças ao microfone, já esse conhecido diretor teatral tinha em mira levar tal meninada a um palco para representação direta em presença de público.

Foi assim que, com o apoio da Associação Brasileira de Críticos Teatrais, e sob os auspícios do Serviço Nacional de Teatro do Ministério da Educação, organizou o Teatro Infantil da referida entidade de jornalistas especializados e, no ano seguinte, em 1942, o elenco mirim estreava auspiciosamente no Teatro Carlos Gomes com a peça “A Gata Borralheira”, de Teófilo de Barros Filho, musicada por Afonso Henriques.

E, dentre os intérpretes estavam Adiléia Silva, Diva Pieranti, Natália Tinberg, Daisy Lúcidi, Gerdal dos Santos, Eugênia Levi, Yvette Magdalena, Arlete Saraiva, Bila Manganelli, Artur Costa Filho, Domingos Martins, Lourdes Nazareth e vários outros, garotos e garotas que, hoje (verifiquem bem a relação), têm lugar de destaque no teatro, no rádio, no balé e na música, confirmando os dotes então revelados.

O sucesso do espetáculo de estréia animou os criadores do Teatro Infantil e, sempre logrando grande êxito, prestigiado por numeroso público que lotava os teatros (Carlos Gomes e República) onde o conjunto de crianças se apresentava, encenaram novas peças no grupo das quais figuraram “Aladim ou a Lâmpada Maravilhosa”, “A Bela Adormecida no Bosque”, interessantes adaptações das conhecidas lendas, feitas, respectivamente, por Teófilo de Barros Filho e Alda Pereira Pinto, com números musicais, ambas de Afonso Henriques, além da participação do balé infantil do Teatro Municipal, dirigido por Maria Olenewa e com a orientação coreográfica de Yuco Lindberg. Houve, também, a apresentação de “O Menino Jesus”, adaptação de um conto de Coelho Netto por Silvia Autuori, musicado por Jerônimo Cabral.

Em todos os espetáculos estava presente Adiléia Silva e sempre dando aos papéis que lhe cabiam, com perfeita intuição, a exata característica da personagem. Representava e cantava com o desembaraço de uma autêntica estrela de dez ou doze anos de idade, fazendo adivinhar a grande Dolores Duran que ela seria mais tarde.

A primeira canção

Muito embora em todas as peças apresentadas pelo Teatro Infantil da Associação Brasileira de Críticos Teatrais a menina Adiléia atuasse com destaque, o seu maior sucesso foi, sem dúvida, na opereta-fantasia “O Príncipe do Limo Verde”.

Coube-lhe na distribuição dos papéis representar a Primavera, o que lhe dava ensejo de interpretar uma bonita valsa de Afonso Henriques, cuja letra é a seguinte:

Queres saber dos sonhos, dos amores,
Dos castelos feitos de quimera?
Corre aos jardins, aos verdes campos,
Pois somente as flores
Poderão falar de mim, assim:
A Primavera.

Coro

Primavera gentil,
Um sorriso que a vida nos dá.
Flor mais linda e sutil
Neste mundo não há.
Trazes no olhar sonhador
Todo um poema de amor.
Primavera gentil,
Primavera em flor!”.

O sentimento que a garota Adiléia deu à interpretação dos versos, assim como a suavidade com que cantou a linda melodia, permitiram-lhe dar um esplêndido realce à canção. E dessa maneira, com toda a platéia aplaudindo-a entusiasticamente, pedindo insistentemente bis, Adiléia cantou pela segunda vez o seu bonito número, tornando-se a vedete do espetáculo.

Sua primeira e vitoriosa canção, aquela que verdadeiramente marcou o início da brilhante carreira artística de Dolores Duran, o pseudônimo que continuou no rádio e nos discos, a precocidade de Adiléia Silva, bem merecia ser revivida numa gravação para a alegria dos milhares de fãs que a saudosa cantora e compositora, ainda hoje tão lembrada, têm por todo o Brasil.

Confirmação de vaticínios

A garotada que integrava o Teatro Infantil da Associação Brasileira de Críticos Teatrais, sempre teve nos comentários que seus espetáculos mereciam da imprensa, amplos louvores. E, como seria de esperar, tais elogios dos críticos teatrais de então (Mário Nunes, Astério de Campos, Brício de Abreu, João de Deus Falcão, José Lyra, Heitor Muniz, Luiz Palhano, Geysa Bôscoli, Bandeira Duarte e muitos outros) vaticinavam o sucesso futuro de tais crianças.

Relendo-se, hoje, aqueles elogios e os vaticínios, vemos que eles foram merecidos e se confirmaram. Afora Adiléia Silva, que se tornou artisticamente Dolores Duran e consagrou o pseudônimo que adotou como compositora e cantora, suas colegas de elenco também triunfaram no teatro, no rádio, na televisão e no balé.

Basta que se leia na lista citada linhas acima os nomes das figuras componentes de tão magnífica troupe de garotos e garotas para se constatar que os críticos da época vaticinaram certo.

Dolores Duran, continuação da menina Adiléia Silva, que numa manhã de domingo (15 de novembro de 1942) empolgou o numeroso público que foi vê-la na opereta “O Príncipe do Limo Verde”, no Teatro Carlos Gomes, não ficou no registro dos jornais de então como simples “menina-prodígio” iniciou-se, isto sim, como autêntica vedete e como tal permaneceu ainda hoje, nas muitas e bonitas canções que escreveu e interpretou.

(Singra, 25-31/3/1960)
______________________________________________________________________
Fonte: Figuras e Coisas da Música Popular Brasileira / Jota Efegê. - Apresentação de Carlos Drummond de Andrade e Ary Vasconcelos. — 2. ed. — Rio de Janeiro - Funarte, 2007.