quarta-feira, dezembro 12, 2012

Diana

Diana (Ana Maria Siqueira Iório), cantora e compositora, nasceu no Rio de Janeiro, RJ, em 2 de junho de 1954. Foi casada com o cantor e compositor Odair José, o qual conheceu no final da década de 1960, quando os dois ainda estavam dando os primeiros passos na carreira artística. O casamento no entanto, durou pouco e se encerrou de maneira conturbada, ocupando as páginas dos jornais em 1974 após violentas brigas.

Em 1969, gravou seu primeiro disco, um compacto simples, pela gravadora Caravelle. A música de trabalho Menti pra você, ficou por mais de quarenta semanas em primeiro lugar na Rádio Globo.

Em 1970, foi contratada pela gravadora CBS, e lançou, pelo selo EPIC, um novo compacto, com duas canções: Não chore baby e Eu gosto dele. Nessa mesma época, passou a ser  produzida por Raulzito, que mais tarde seria o conhecido "Maluco Beleza" Raul Seixas. No mesmo ano, teve duas de suas composições gravadas pelos artistas Odair José e José Roberto, Mundo feito de saudade e Que tolo fui.

Logo em seguida, foi escolhida pela CBS para substituir a cantora Wanderléia que se transferira para a Phonogram. Lançou seu primeiro disco na CBS, com produção de Raulzito, e alcançou as paradas de sucesso com as músicas Uma vez mais, Fatalidade, Um mundo só para nós dois, Porque brigamos, "Estou completamente apaixonada" e "Hoje sonhei com você".

Em 1971, fez sucesso com a canção Ainda queima a esperança, de Raulzito e Mauro Motta, que alcançou o sétimo lugar entre as 50 mais, segundo o Nopem, orgão de pesquisa do mercado de discos. Nessa época a maioria dos sucessos de Diana eram compostos pela dupla Raul e Mauro Motta.

Em 1972, destacou-se com as músicas Estou completamente apaixonada e Hoje sonhei com você, ambas de Raulzito e Mauro Motta. Em 1973, lançou o LP Uma vez mais, com destaque para a música título, uma versão de Rossini Pinto para a composição One last time, de Dick e Don Adrisi. Também fez sucesso nesse ano com a música Um mundo só para nós dois, de J. P. Cruz e Niquinho.

Em 1974, Diana trocou de gravadora, passando da CBS para a Polydor/Polygram (atual Universal Music), através da qual gravou três discos, entre 1974 e 1976. Os maiores sucessos foram as músicas Foi tudo culpa do amor, em parceria com Odair José; Lero-lero; Sem barulho; e Uma nova vida, que, curiosamente, havia sido uma composição de Odair José para ser lançada com a cantora Rosemary. Nessa época fez constantes apresentações em programas de televisão, como "O cassino do Chacrinha".

Em 1978, lançou disco pela RCA , nessa ocasião, já sem a produção de Raul Seixas. O LP contou com participação especial de artistas da época como grupo de Jazz brasileiro Azymuth, Maurício Einhorn, Hélio Delmiro, Nivaldo Ornelas, José Roberto Bertrami e Oberdan Magalhães. O destaque foi a faixa Vida que não pára, de Odair José.

Nos anos 1980, gravou alguns compactos e um LP, além de participar de um tributo ao cantor Evaldo Braga, no disco Eu ainda amo vocês, no qual canta em dueto com Evaldo a música Só quero.

Em 1999, a gravadora Universal, dentro da série "20 músicas do século XX", relançou no CD Popular sua interpretação para a música Foi tudo culpa do amor, com Odair José.

Em 2000, a música Foi tudo culpa do amor, foi relançada no CD duplo Popular, da EMI, na interpretação de Odair José. Por essa época passou a fazer shows pelo Brasil, principalmente no Nordeste, e modificou a grafia do seu nome artístico para "Diannah".

Obras

Eu gosto dele (c/ Odair José), Foi tudo culpa do amor (c/ Odair José) e Mundo feito de saudade.

Discografia

(1969) Diana • Caravelle • Compacto simples
(1970) Diana • CBS • Compacto simples
(1971) Diana • CBS • Compacto simples
(1972) Diana • CBS • Compacto simples
(1972) Diana • CBS • LP
(1973) Uma vez mais • CBS • Compacto simples
(1978) Diana • RCA • LP

Fontes: Wikipédia; Dicionário Cravo Albin da MPB.