sábado, maio 18, 2013

A última aventura artística de Gardel

Carlos Gardel
Paris - Dezembro de 1933 - Carlos Gardel deixa a Cidade Luz acompanhado de Castellano e Petorossi, seus acompanhantes, despedindo-se de alguns amigos, entre eles Alfredo Le Pera, a quem dizia:

- "Espero-te lá, Alfredo. Tens de vir quanto antes ao meu encontro. Sabes que tenho ganhado muito dinheiro em minha vida, porém desordenadamente. Agora, não. Vou ganhá-lo em grandes quantidades! Tenho que pensar na velhice..."

Mal sabia ele que essas esperanças, dominando-lhe o coração e enchendo-o de entusiasmo, não tinham razão de ser. Seu representante ali era um aventureiro, sem responsabilidade e a "National Broadcasting Company" não lhe dava a importância que lhe fizera crer o empresário, porque o tango não se destacava nos Estados Unidos. Por outro lado, Castellano e Petorossi em virtude das leis do trabalho e Gardel atuava em programas matutinos, sem nenhuma propaganda e com... jazz! Um desastre completo, que ele procurava ocultar, escrevendo a La Pera:

- "As coisas vão bem. Verás como iremos fazer grandes filmes..."

Alfredo, entretanto, estava ligado a representantes cinematográficos na Europa e sabia que, na verdade, nenhum estúdio se interessava pelo amigo. Apesar de "Luzes de Buenos Aires" e "Melodias do Arrabal" constituírem um grande negócio (foram filmadas na Europa) as produtoras desprezavam películas em espanhol, porque algumas delas fracassaram malgrado a insistência de Gardel: "Vem, que está tudo arranjado. Faremos uma grande película...".

Madame Backfield

Em Paris, Gardel conheceu Madame Backfield, dona de muitos milhões e que vivia assediada pelos galãs de França sendo justo incluir-se entre seus admiradores, Charles Boyer e Henry Garat. Carlos, porém, gozou de sua admiração. Estava pobre e, segundo testemunho de um dos seus amigoa em Paris, parece que a ela recorreu para sua última aventura artística em Nova York, partindo com um cheque e várias cartas de recomendação da senhora Backfield que era a magnata dos cigarros na Europa enquanto seu marido era o do tabaco nos Estados Unidos. Ela e Le Pera foram, afinal, sua salvação...

A Exito Films

Alfredo Le Pera afinal decidiu ir a Nova York. Encontrou Gardel só, humilhado, porém sem querer abandonar a luta. A Paramount, que com ele tinha ganhado milhões, não queria dar-lhe nova oportunidade e as demais empresas raciocinavam que se ela, que o havia tido contratado, não o queria era porque não convinha, comercialmente, tal elemento.

Foi então que Le Pera teve a ideia de fundar uma nova produtora exclusivamente para os filmes de Gardel. O marido de madame Barckfield entrou com alguns milhares de dólares e surgiu a Exito Films, instalada nuns velhos e abandonados estúdios  que a Paramount cedeu... Com a condição de ser a distribuidora das películas, do que resultou ganhar, ela, muito mais que os fundadores da empresa...

Gaby Morlay
Gaby Morlay, seu único amor

Não se pense mal de Gardel. Se alguma mulher o interessou realmente, ela foi Gaby Morlay, atriz cinematográfica cujo nome ainda é símbolo da glória na tela. Retraído, o cantor não gostava de apresentar-se em público com personagens do sexo frágil, porém seus amigos perceberam-lhe o romance, depois que ele passou a ter encontros discretos com Gaby em lugares públicos dos menos frequentados pela colônia argentina em Paris.

Vencido pelo destino

Havia, em Carlos Gardel, como que uma previsão de tragédia. Certa vez, em companhia de diversos amigos, foi a uma reunião a cerca de 40 quilômetros de Paris. Distraído com a palestra, só ao olhar o valocímetro do carro percebeu a alta velocidade em que iam. Prontamente Gardel interrompou: ou diminuíam a marcha, ou ele saltaria. Rechaçou o propósito dos amigos, animando-o:

- "Não. Ou diminuem a marcha, ou salto. Assim não sigo...".

De outra vez, regressava de uma partida de futebol quando o carro em que viajava se chocou com outro resultando ferida uma senhora que nele vinha. Foi o bastante: Gardel negou-se terminantemente a prosseguir naquele automóvel, dizendo ao seu companheiro, o jornalista Manuel Pizarro:

- "Vês como me perseguem esses acidentes? É como o ocorrido outro dia com meu carro. Imagina se eu fosse..."

Eis o que havia sucedido: o chofer particular de Gardel estava com a esposa doente. O cantor, então, autorizou-o a ir para casa em seu carro e ia, mesmo, acompanhá-lo, quando, sem motivo determinado, desistiu da ideia. Instantes depois o carro chocava-se contra um caminhão, morrendo o motorista e ficando uma senhora ferida...

Essa verdadeira luta entre Gardel e o destino está ilustrada, ainda, por m fato mais. Precisava ir a Londres e deu ordens para que fossem compradas as passagens via aérea. Tudo estava certo quando, no momento mesmo de embarcar, ele mudava de opinião: "Prefiro não ir. Tomarei o trem. A mim, o avião não pega...". Parecia que a ideia da tragédia estava presente.

...E assim morreu

Voltemos à Exito Films. As dificuldades econômicas continuavam, embora amenizadas. Gardel preocupava-se com o seu futuro, quando lhe apresentaram a tentadora proposta para que se apresentasse em Medellin. Alfredo Le Pera planejava ir a Londres, onde se casaria, mas no último momento acedeu aos rogos do companheiro e amigo:

- "Tens que acompanhar-me, Alfredo! Vamos ter um grande êxito! Vamos ganhar muito dinheiro!"

E lá se foram eles, para a viagem fatal...

______________________________________________________________________
Fonte: Revista do Rádio - Agosto de 1948.