terça-feira, junho 04, 2013

Carlos Augusto


Carlos Augusto (Carlos Antonio de Souza Moreira), cantor, nasceu em Fortaleza, CE, em 10/07/1933, e faleceu de acidente automobilístico em outubro de 1968. Começou a se apresentar como cantor na Rádio Iracema, de Fortaleza.

Em 1950, quando mudou para o Rio de Janeiro a fim de estudar, foi convidado a cantar como crooner da orquestra da boate Night and Day. Pouco depois, fez excursão ao nordeste, como parte de uma caravana de artistas que incluía, entre outros, a cantora Emilinha Borba. Em seguida, foi contratado pela Rádio Nacional.

Estreou em discos em 1952, contratado pela Sinter, e lançou o fox Meu sonho de amor (Paulo César), e o samba-canção Briguei com você (Hianto de Almeida e Haroldo de Almeida). No mesmo ano, gravou, com acompanhamento de Lírio Panicali e Sua Orquestra, o paso doble María Dolores (F. Garcia e J. Morcillo), em versão de Caribé da Rocha, e a valsa Festa de formatura (Joubert de Carvalho).

Em 1953, gravou as marchas Festa espanhola (Haroldo Lobo, Milton de Oliveira e Aírton Amorim), e Perfume de carnaval (Luís Antônio), e os sambas Você foi cruel (Haroldo Lobo e Milton de Oliveira), e Sem tamborim (Peterpan e Rui Rodrigues). No mesmo ano, gravou o samba-canção Mesa de Bar (Paulo Marques e Dora Lopes), a valsa Arlequim (Humberto de Carvalho e Raul Sampaio), a canção Súplica (Gilbert Becaud e Charles Aznavour), em versão de Caribé da Rocha, e a toada Jangadeiro valente (César Siqueira e Caribé da Rocha).

Em 1954, lançou cinco discos pela Sinter, interpretando os sambas Etiqueta de Mangueira (Valdemar Ressurreição e Salvador Micelli), e Não sou vagabundo (Osmar Campos Filho e Chocolate); o bolero Icaraí (Sílvio Viana); a valsa É o Amore (Brooks e Warren), em versão de Haroldo Barbosa; o fox-trot Cavaleiro errante (Victor Young), e versão de Ghiaroni; o samba-canção Se acaso você chegasse (Lupicínio Rodrigues e Felisberto Martins); o tango-bolero Quem será (Beltran Ruiz e Lourival Faissal); o samba-canção Falta-me alguém" (Pedro Caetano e Claudionor Cruz); o samba Carrasco (Monsueto Menezes, Raul Marques e Manoel Fernandes), e a marcha Para ti (Rutinaldo e Marcléo). No mesmo ano, lançou, pela gravadora Continental, o samba-canção Adeus mocidade (Ferreira Gomes e Nicolino Cópia). Ainda em 1954, a gravadora Sinter lançou o LP O Trovador Moderno, com interpretações suas lançadas em disco de 78 rpm.

Em 1955, gravou os sambas Silêncio noturno (Silva Neto, Murilo Caldas e Cilo Proença); Revoltado (Carolina Cardoso de Meneses e René Bittencourt), e Eu fracassei (Alberto Jesus, Antônio Dominguez e Sebastião Nunes), e a marcha A serenata morreu (Nássara e Roberto Martins).

Em 1956, gravou a valsa Linda Espanha (Altamiro Carrilho e Armando Nunes); o tango Desespero (Eduardo Patané e Floriano Faissal), a valsa Maria e o samba Juramento falso, ambos de Leonel Azevedo e J. Cascata. No mesmo ano, comandou, na Rádio Nacional de São Paulo, o programa "Canções do Mundo Inteiro", levado ao ar todas as segundas-feiras. Ainda no mesmo ano, gravou o LP Música de J. Cascata e Leonel Azevedo na Interpretação de Carlos Augusto, no qual cantou as valsas Maria e Lábios que beijei; os sambas Juramento Falso e Meu Romance e as canções Mágoas de caboclo, Desilusão, História Joanina e Quem foi. Ainda em 1956, foi contratado pela Polydor, e logo lançou quatro discos, com a valsa Domani (Ulpio Minucci e Tony Velona), em versão de Júlio Nagib; o beguine Distração (Renato de Oliveira e Fernando César); a valsa História de um amor (C. Almaran e Edson Borges); o samba Corcovado (Steve Bernard e Nazareno de Brito); as marchas Não pode bobear (Haroldo Lobo e José Roy), e A dança do Didu (Miguel Gustavo); o fox Como é bom recordar (T. Gilkyson, R. Dehr e F. Miller), e versão de Nazareno de Brito, e o paso doble Eterno vagabundo (Nazareno de Brito e Betinho). As gravações iniciais na Polydor foram reunidas, ainda em 1956, no LP Carlos Augusto.

Em 1957, lançou o beguine Refrains (G. Voumard e E. Gardaz), em versão de Júlio Nagib; o samba-canção Fracassos de amor (Tito Madi e Milton Silva); o cha cha cha Nesga de cetim (J. Plante e L. Ferrari), em versão de Haroldo Barbosa; o samba-canção Sementes do mal (Santos Garcia); o samba Chegou a hora (Luís Soberano e Anísio Bichara), e a marcha Broto fiu-fiu (Alberto Roy e Alfredo Godinho).

Em 1958, gravou os sambas-canção Vitrine (Adelino Moreira); Quisera (Waldir Machado e Bené Guimarães); Minha cruz (Raul Sampaio e Benil Santos); Garçom amigo (Alberto Jesus e Nelson Bastos); Espelho (Adelino Moreira e Raul Borges), e Pecado ambulante (Adelino Moreira); os boleros Abandono cruel (Luiz Soberano e Anísio Bichara), e Sonho sonhado (Valdir Finotti e N. Paiva); a marcha Que onda é essa (Jorge Santos e Carneiro Filho), e o samba Deodoro se queimou (Carvalhinho e Valdir Machado). No mesmo ano, a Polydor lançou o LP Vitrine, com as gravações já lançadas em discos de 78 rpm.

Em 1959, gravou o tango Ciúme (Fernando César e Renato de Oliveira); os sambas-canção Canção da eterna despedida (Tom Jobim e Vinícius de Moraes); Deus me perdoe (Edson Borges e Dolores Duran), e A Noite e a prece (Evaldo Gouveia e Almeida Regos); a toada Vagabundo (Victor Simon), e o bolero Tantas vezes (Fernando César). No mesmo ano, lançou o LP Falando ao Coração, com várias gravações já lançadas em 78 rpm, além das canções Sem você e A felicidade, de Tom Jobim e Vinicius de Moraes.

Em 1960, foi contratado pela Odeon, e lançou, com acompanhamento de Osvaldo Borba e Sua Orquestra, os sambas-canção Negue (Adelino Moreira e Enzo de Almeida Passos), e Noite de saudade (Adelino Moreira). No mesmo ano, também com acompanhamento de Osvaldo Borba e Sua Orquestra, o bolero Chega (José Messias), e o samba-canção Regresso (Adelino Moreira). Ainda em 1960, teve lançado pela Odeon, o LP Negue, música título de Adelino Moreira e Enzo Almeida Passos, que também incluiu as canções românticas Noite de saudade e Regresso, ambas de Adelino Moreira; Quando existe adeus (Jair Amorim e Evaldo Gouveia); Chega (José Messias); Encontro com a mulher deixada (Ricardo Galeno); Quanta saudade (Almeida Rego e Newton Ramalho); Grito d'alma (Ronaldo Ribeiro, Gilberto Teixeira e Wilson Calixto); Farrapo (Paulo Borges); Pra meu castigo (Jairo Argileo e Wilson Calixto); Única solução (Carlos Marques, Bucy Moreira e Manoel Francisco), e Felicidade sonhei (Garcia Júnior, F. Machado e L. Perez).

Em 1961, gravou os boleros Juro e Deus sabe o que faz (Adelino Moreira); o samba-canção É mentira (Adelino Moreira e França), e o samba Seria tão diferente (Adelino Moreira e Toni Luna). No mesmo ano, lançou o LP Juro, música título de Adelino Moreira, e que incluiu boleros e sambas-canção como A dor que mais doi (Ricardo Galeno); Cigarra (Paulo Borges); Deixa falar (Ricardo Galeno e Antônio Moura); É mentira (Adelino Moreira e França); Quem dá ordens sou eu (Ricardo Galeno e Antônio Moura); Boneca de pano (Assis Valente); Seria tão diferente (Adelino Moreira e Toni Luna); Cigarro sem baton (Fernando César); O sol da verdade (Ricardo Galeno e Antônio Moura); Deus sabe o que faz, de Adelino Moreira, e Volta, de Ciro de Souza e Antônio Moura.

Em 1962, gravou os sambas-canção Esta noite ou nunca e Rosinha do Encantado (Adelino Moreira). No mesmo ano, gravou os sambas-canção Princípio do fim (Newton Teixeira e Mário Rossi), e A vida é assim toda vida (Paulo Aguiar, Umberto Silva e Filadelfo Nunes), em disco lançado apenas em março de 1963. Ainda em 1962, gravou pelo selo Orion, da Odeon, as marchas Marcha do Pelé (Paulo Borges e Madalena Correia), e Leva meu coração (Henrique de Almeida, J. Lima e Carlos Marques), essa última, inclusive, foi incluída na coletânea carnavalesca Carnaval de 1963, do selo Orion.

Em 1965, gravou a marcha Banho na minhoca (Nilo Barbosa e Célio Ferreira), para o LP Carnaval 65 - O Grande Carnaval do 4º Centenário do Rio de Janeiro, da gravadora Philips.

Para o carnaval de 1966, gravou a marcha Chora tamborim (José Messias), incluída na coletânea carnavalesca O Fino da Folia!, da gravadora Philips.

Lançou sua última gravação para o carnaval de 1967, a marcha Amei (Julio Nagib), que fez parte do LP Carnaval 67, do selo Fermata.

Em pouco menos de 15 anos de carreira, gravou 40 discos em 78 rpm e seis LPs, além da participação em diferentes coletâneas, pelas gravadoras Sinter, Polydor, Odeon e Philips.

_________________________________________________________________
Fonte: http://www.famososquepartiram.com/2013/02/carlos-augusto.html