terça-feira, junho 25, 2013

Léo Vilar


Léo Vilar (Antonio Fuína), cantor e compositor, filho de pais italianos, nasceu na Rua da Conceição no Rio de Janeiro, RJ, em 17/11/1914, falecendo em 1968. Em 1920, ingressou na Escola Afonso Pena na qual fez o curso primário. Em 1925, mudou-se para o bairro do Encantado e ingressou no Colégio Pedro II e lá concluiu o curso Ginasial.

Em 1930, fez uma prova nos estúdios da antiga Columbia cantando Eu dava tudo, uma parceria sua com Nicola Bruni. Ao fim do teste, foi convidado por Valdo Abreu para cantar na Rádio Mayrink Veiga, onde estreou e foi contratado, permanecendo nessa emissora por quatro anos, se apresentando acompanhado pelo pianista Aluísio Silva Araújo com quem veio a constituir uma famosa dupla e com quem ganhou um concurso instituído por A Hora, como a melhor dupla do rádio. No ano seguinte, foi convidado por Benedito Lacerda para ser "crooner" de seu regional, "Gente do Morro", para substituir Moreira da Silva.

Em 1933, gravou seu primeiro disco, na Colúmbia com os sambas Foi bom, de Benedito Lacerda e Osvaldo Silva e Não devo amar, de Benedito Lacerda, V. Batista e Nelson Gomes, com acompanhamento do grupo Gente do Morro, de Benedito Lacerda. No mesmo ano, gravou com Arnaldo Amaral, com acompanhamento de Pixinguinha e sua orquestra, os sambas Se passar da hora, de Osvaldo Vasques e Boaventura dos Santos e Rindo e chorando, de Osvaldo Vasques e Buci Moreira. Também no mesmo ano, gravou em dueto com Noel Rosa o samba Devo esquecer, de Gilberto Martins, também com acompanhamento de Pixinguinha e sua orquestra.

Em 1934, tinha com Gilberto Martins um sonho em comum: viajar. E resolveram ir inicialmente a Salvador, na Bahia, onde pretendiam apresentar-se cantando em dupla: ele cantando e batendo o ritmo, Gilberto Martins tocando violão e fazendo a segunda voz. Acreditavam que na Bahia houvesse algum ambiente radiofônico, mas não havia nada. As estações de rádio só funcionavam à base de discos, as orquestras tocavam sem crooner. Passaram três dias dormindo nos bancos das praças, até serem levados por um amigo carioca, conhecido do rancho Tenentes do Diabo que os levou ao Cassino dos Tenentes, na Praça Castro Alves, para ver se conseguiam alguma coisa.

Segundo Ary Vasconcelos, foram recebidos pelo diretor da orquestra, Jonas Silva: " - dublê de fotógrafo e diretor de orquestra -, explicou-lhes que na Bahia não se usavam cantores em orquestra, mesmo porque não havia verba.... Mas, pelas 2 horas da manhã, Machado insistiu em que eles cantassem. Jonas deu permissão e o sucesso foi surpreendente. Na mesma hora e diante dos assistentes em delírio, Léo foi contratado para crooner da orquestra. Durante três meses, Leo ficou cantando só no Cassino. Enquanto isso, Gilberto organizava um programa de rádio que revolucionou a radiofonia baiana.

Em 1936, Gilberto e Léo eram donos da Rádio Clube da Bahia, tendo descoberto Demerval Costa Lima, Dorival Caymmi e outros. Já então Léo era ídolo na Boa Terra, cantando em rádio, cassinos e fazendo bailes em Salvador e Recife". Ainda em 1934, gravou a marcha Minha rainha. De J. Miranda e Ivan Lopes com acompanhamento de Pixinguinha e sua orquestra.

Em 1936, voltou ao Rio de Janeiro, onde encontrou um conjunto, que já se apresentava há dois anos no rádio: os Anjos do Inferno, o qual passou a dirigir e onde atuou como vocalista em lugar de Oto Borges. O novo "Anjos do Inferno" estreou na Rádio Cruzeiro do Sul e se apresentou no Cassino Icaraí, em Niterói, obtendo bastante sucesso. Nesse mesmo ano o conjunto foi contratado pela Rádio Mayrink Veiga, onde permaneceu por dois anos.

Em 1938, remodelou o conjunto, tirando os irmãos Antônio e José Barbosa, substituindo-os por Alberto Paes (pandeiro) e Aluísio Ferreira (violão-tenor), e fazendo entrar Harry Vasco de Almeida (pistão), no lugar de Milton Campos. Com essa nova formação, os Anjos estrearam na Rádio Tupi onde ficaram por nove anos. Paralelamente a sua atuação no Anjos do Inferno continuou gravando solo.

Em 1941, gravou o samba Bangalô e barracão, de João de Barro e Alcir Pires Vermelho acompanhado pelo Conjunto Regional de Benedito Lacerda. No mesmo ano, gravou com Beatriz Costa a marcha Não te cases Beatriz, de Antônio Almeida, Alberto Ribeiro e Arlindo Marques Júnior, com acompanahemto de Benedito Lacerda e seu conjunto regional. Em 1942, gravou também com acompanhamento de Benedito Lacerda e seu regional os choros Acabou-se o que era doce, de Antônio Almeida e Alberto Ribeiro e Casal feliz, de Antônio Almeida.

Em 1952, ingressou na gravadora Copacabana e lançou o samba Vai saudade!..., de Irani de Oliveira e Ari Monteiro e a batucada Baile de rico, de Roberto Martins e Arnaldo Passos.

Em 1953, por problemas financeiros, já que as excursões, fonte principal da renda do grupo, estavam prejudicadas pela ascensão astronômica dos preços das passagens de avião, foi obrigado a dissolver o conjunto Anjos do Inferno. Nesse mesmo ano, transferiu-se para São Paulo, alugando um apartamento na Avenida São João.

Ainda no mesmo ano, gravou a batucada Linda Dolores, de Hernâni Castanheira e Chacrinha, a Marcha da viúva, de Peterpan e Afonso Teixeira, os sambas Cozinheiro forçado, de Altamiro Carrilho e Irani de Oliveira e Se não fosse a fé, de Horondino Silva e Pelado e o samba canção Quando a lua se escondeu, de Gilberto Martins.

Em 1955, gravou o samba choro Seu Osório, de Aloísio Silva Araújo e Roberto Martins e o baião Gozador, de João Grimaldi e Roberto Medeiros. No mesmo ano, gravou na Continental com o cantor e compositor baiano Gordurinha a marcha Soldado da rainha, de Gordurinha e João Grimaldi e o samba Sonhei com você, de Roberto Martins e Mário Vieira.

Em 1956, voltou a gravar com Gordurinha, desta vez os cocos São Paulo x Rio e Faroleiro, ambos de Gordurinha e João Grimaldi.

Em 1957, voltou ao Rio de Janeiro. Dois anos mais tarde atuou na peça De Cabral a JK, de Max Nunes, J. Maia e José Mauro, no Teatro João Caetano, quando reorganizou momentaneamente o conjunto Anjos do Inferno. Ficaram seis meses em cartaz, atuando também como atores. Nesse ano, foi trabalhar no Departamento Artístico da editora musical Cembra. Foi diretor da Magissom, fábrica de discos situada em São Paulo.

Em 1968, procurou o diretor do Museu da Imagem e do Som, Ricardo Cravo Albin, dizendo-se em sérias dificuldades financeiras. Por essa razão, o diretor do MIS realizou um espetáculo beneficente no Teatro Aurimar Rocha para arrecadar-lhe fundos. Morreu pobre e praticamente esquecido.

Discografia


Não devo amar/Foi bom (1933) Columbia 78
Se passar da hora/Rindo e chorando (1933) Columbia 78
Devo esquecer (1933) Columbia 78
Minha rainha (1934) Columbia 78
Bangalô e barracão (1941) Columbia 78
Não te cases Beatriz (1941) Columbia 78
Acabou-se o que era doce/Casal feliz (1942) Columbia 78
Vai saudade!.../Baile de rico (1952) Copacabana 78
Linda Dolores/Marcha da viúva (1953) Copacabana 78
Cozinheiro forçado/Quando a lua se escondeu (1953) Copacabana 78
Veneno da perdição/Se não fosse a fé (1953) Copacabana 78
Seu Osório/Gozador (1955) Copacabana 78
Soldado da rainha/Sonhei com você (1955) Continental 78
São Paulo x Rio/Faroleiro (1956) Continental 78

______________________________________________________________________
Fontes: Dicionário Cravo Albin da MPB; musicapopular.org;